Polícia prende 40 pessoas após protestos em Israel

Manifestantes foram às ruas para protestar contra a aprovação de uma reforma judicial que enfraquece os poderes da Suprema Corte 

Uma onda de manifestações tomou conta de Israel após o parlamento aprovar uma lei que limita poderes da Suprema Corte, apresentados pelo governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu. Várias cidades em todo o país reuniram milhares de manifestantes para se colocar contra as mudanças.

As manifestações contra a emenda começaram no início do dia, com a polícia arrastando os manifestantes que se acorrentaram a postes e bloquearam a estrada fora do parlamento.

Milhares de manifestantes se reuniram do lado de fora do Knesset, o parlamento israelense, e ao longo da Begin Highway na segunda-feira, para protestar contra a aprovação do chamado projeto de lei de “razoabilidade” que retirará certos poderes da Suprema Corte.

À noite, os manifestantes tomaram as ruas de cidades em todo o país. Em Tel Aviv, manifestantes se reúnem no entroncamento Kaplan, local central dos protestos.

Também houve protestos em Jerusalém. A polícia de Israel usou jatos de água malcheirosa (conhecidas como “água de gambá”) contra os manifestantes que bloqueavam a Begin Highway, uma das principais estradas da cidade, na noite de segunda-feira. Equipes da CNN na área constataram viram e cheiraram.

A polícia nunca havia usado esse tipo de medida contra os manifestantes.

Dirigindo-se à nação na noite desta segunda-feira (24), o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu disse que estava cumprindo a vontade dos eleitores.

“Cumprir a vontade do eleitor não é de forma alguma o fim da democracia, é a essência da democracia”, disse Netanyahu, acrescentando que a aprovação da lei foi “um movimento democrático necessário”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 − treze =