O índice de violencia em Rio Branco aumentou, segundo dados do MPAC

A violência em Rio Branco aumentou 36% em relação ao ano passado, segundo levantamento divulgado pelo Ministério Público do Acre (MPAC) neste mês de outubro. Em contrapartida, outras regiões do Acre, como Brasiléia, no Alto Acre, tiveram uma redução de 47%.

Um dos maiores motivos que influenciaram no aumento da violência em Rio Branco seria a ascensão de grupos criminosos. Foram 89 mortes e 70 execuções até setembro, sendo que na metade dessas mortes, os autores são desconhecidos, comumente de periferias.

Desse total, 64% dessas pessoas foram mortas por armas de fogo e, só nos seis primeiros meses desse ano, já foi superado a taxa de violência do ano passado em 6%.

Em Rio Branco, a maior concentração de violência está localizada no segundo-distrito, onde consta 48% das mortes de 2023, são número exorbitantes se analisado que o segundo-distrito é apenas uma parte da cidade.

A Polícia Militar do Acre (MPAC) mantém essa região em constante vigilância. Contudo, as poucas unidades não conseguem cobrir essa grande contingência de crimes, sobretudo nos bairros mais violentos como Cidade do Povo e Belo Jardim, que são cercados por vegetação densa que dificulta o trabalho policial.

Além disso, outros fatores que elevaram o índice de violência foram as mortes nos presídios, que em relação ao ano passado, tiveram um aumento de 500%. O motim que aconteceu no mês de julho protagonizou esse aumento, pois cinco pessoas morreram no incidente. Ao todo, seis detentos foram mortos em 2023.

Em 2022, a violência estava concentrada em regiões menores como Taraucá-Envira, que tiveram o maior índice de mortalidade daquele ano no estado. Em 2023, o cenário muda e a capital se torna protagonista, enquanto as outras regiões tiveram queda considerável.

Ao todo, em 2022 tiveram 162 homicídios em todo estado. Em 2023 faltando 70 dias para o fim do ano, o número de mortes já superou esse valor, que de acordo com o Ministério Público são de 164 mortes.

Segundo o Coronel Russo do 2° Batalhão da Polícia Militar, o sistema de justiça favorece a criminalidade em alguns aspectos, visto que, por dia, a PM prende de 20 a 30 pessoas, mas que logo são liberadas pelo sistema e volta;m a cometer crimes, aumentando assim o índice de violência do estado.

fonte: https://agazeta.net/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove − 7 =